Também chamada de energia atômica, é obtida por meio da fissão ou fusão dos núcleos atômicos de urânio enriquecido e, dessa forma, uma grande quantidade de energia é liberada. Os primeiros resultados na divisão de átomos verificaram metais pesados em 1938. Os países que mais investem nessa forma de energia são os Estados Unidos, França, Suécia, Bélgica e Finlândia.

Em 1960, teve início o Programa Nuclear Brasileiro no Brasil, que tinha por objetivo promover a produção de energia atômica. No estado do Rio de Janeiro, está a central nuclear Almirante, que é constituída pelas unidades Angra 1, Angra 2 e Angra 3; porém, apenas Angra 2 está em funcionamento. É uma fonte energética que gera muita desconfiança, pois a falta de segurança e o direcionamento do lixo atômico não é considerado confiável. Além disso, existe a possibilidade de acidentes. Alguns deles, acontecidos em usinas nucleares, são bastante conhecidos:

Usina Nuclear Three Miles Island – Usina na Pensilvânia (EUA) e, em 1979, foram liberados índices de radioatividade que atingiram regiões vizinhas.

Chernobyl – Ocorreu o vazamento de radiação na usina ucraniana que deixou milhares de feridos e mortos em 1986, sendo que a radiação pode ser a causa de mais de 1 milhão de casos de câncer nos 20 anos posteriores.

A energia nuclear é importante, principalmente, em países que não têm muitos recursos naturais para obter outra forma de energia; ela também possui mais reservas e requer menos áreas. Outra característica positiva é que essa fonte energética não contribui para o efeito estufa e causa maior independência energética. Porém, os custos de operação são altos, o lixo atômico possui destino incerto, nos casos de acidentes, ocorre a liberação de radiação e existem os casos de construção de armas nucleares. É um tipo de fonte energética que não é tão utilizada no país.

O Brasil possui reservas de urânio em Poços de Caldas e Quadrilátero Ferrífero (MG), Campos Belos (GO), Lago Real (BA), Figueira(PR), Itatiaia(CE) e Espinharas(PB). Em 1956, foi criada a Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen), que tinha o objetivo de desenvolver formas de promover tecnologias radioativas e estimular sua melhor aplicação, além de garantir a segurança das usinas nucleares.

O país só demonstrou interesse nessa matriz energética após a 2° Guerra Mundial e até a década de 60 era dependente do exterior para obter tecnologia radioativa. Em 1969, o governo brasileiro resolveu montar uma usina nuclear no município de Angra dos Reis. Foi feita a aquisição de um reator de urânio enriquecido, mas a construção da usina só foi iniciada em 1972. Em 1983, foi inaugurada, quando, enfim, recebeu o nome de Angra I.

Em 1974, foi assinado com a Alemanha um acordo que estabelecia um pacto de transferência nuclear e aquisição de usinas. Logo após, foram erguidas mais duas usinas: a Angra I e Angra II.

Radioatividade

Desenho Usina NuclearTrata-se da emissão de energia por meio de reações eletromagnéticas, que são apresentadas como ondas ou partículas (fótons). A radiação pode ser emitida por vários elementos, além do urânio, e são chamados de radioativos. A capacidade nociva da radiação tem sido usada para tratamento de doenças como o câncer. Eles ainda podem produzir materiais sadios na medicina, indústria e agricultura e todo lixo produzido deve ser descartado. O problema é que alguns materiais demoram milhões de ano para desfazer e o lixo radioativo deve ser estocado para que não cause prejuízos atuais e futuros.

Fusão nuclear

A fusão nuclear é o processo onde, por meio de uma colisão e junção de dois núcleos, é formado um núcleo maior.

Fissão nuclear

Processo que consiste na divisão de um núcleo em dois núcleos menores, em um tamanho comparável.